quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Vai caminhar na puta que o pariu

Acho Ricardo Villalobos um tanto quanto supervalorizado. Vi o chileno se apresentar apenas uma vez. Foi no Sónar/Nokia Trends de 2004, mas não tenho muitas lembranças de como foi. Depois disso, ele retornou ao Brasil mais umas duas vezes com apresentações concorridas e caras no D-Edge. Não vi nenhuma das duas e não posso opinar como ele se sai ao vivo. No entanto, não vejo nada de muito especial em suas produções nem nos DJ sets que já baixei. Mas é fato também que muita gente de respeito tem admiração pelo trabalho do amizade.

Villalobos lançou em junho, em conjunto com o alemão Frank Heinrich, conhecido pelo vulgo de Reboot, o EP "Baile/Caminando". A primeira faixa contém um vocal esquisito em espanhol e é de autoria do chileno. Meio techno, a letra parece que conta uma historinha de um “clubber alienado”, de acordo com o que li no Rraurl. Por aí já se percebe que o negócio não pode ser muito bom. A outra, produzida pelo Reboot, é meio minimal, meio house e traz um sample da voz de ninguém menos que a big shoe brasileira Simone cantando em português. A música é aquela do refrão “vem vamos embora, esperar não é saber, quem sabe faz a hora não espera acontecer”. Isso mesmo, a canção protesto dos tempos da ditadura de Geraldo Vandré!

Não sei se a intenção da dupla foi de inovar ou se simplesmente não queriam ser levados muito a sério. O que eu sei é que além de não simpatizar com vocais em português, tenho um baita trauma dessa música do Vandré. Minha mãe escutava incessantemente na vitrola Gradiente quando eu era criança pequena.
Além disso, a única produção eletrônica coberta de influências latinas que me agradou até hoje foi "La Mezcla", que o tal do Michel Cleis lançou pelo selo Cadenza, do também chileno Luciano, no começo do ano. Inclusive escrevi sobre ela num post recente. Mas o Blogger deletou tal post alegando que eu havia infringido leis de direitos autorais por ter disponibilizado a faixa para download. E me mandaram uma notificação que deu medo. Temi que o FBI fosse bater na minha porta.

Bom... Voltando ao EP, no Resident Advisor, a review rendeu uns 70 comments. Uns odiaram, outros amaram. O site deu nota 4 (out of 5) e justificou que foi principalmente pela faixa do Reboot. Dizem que é "one of Reboot's most epic productions yet."
Mas em nenhum momento citam que a faixa é cantada em português ou que é de autoria de um compositor brasileiro. Ou seja, crédito zero aos artistas do Brasil brasileiro.

No Rraurl, a resenha teve por volta de 50 comentários. Diferentemente do site gringo, no daqui, a maioria das pessoas detestaram, mas alguns poucos defenderam as produções com afinco digno de membros do alto escalão do fã-clube da dupla. E ainda soltaram que mais músicas brasileiras serão mexidas por Villalobos e seu pessoalzinho em breve.

É aguardar pra ver. E se for assim mesmo, fica aqui uma sugestão. Uma música que aposto que é a cara do que eles estão procurando. E vai com o nome do remix já incluso, para facilitar o trabalho do pessoal:
Caetano Veloso - “Debaixo dos Caracóis de seus Cabelos” (Villalobos donde están los caracoles remix).
A combinação Caetano/Villalobos ficaria incrível, não? É, acho que não.




E essa é a pérola abrasileirada do Reboot, num videozinho com referências ao São Paulo Futebol Clube.

2 comentários:

rodrigo fernando disse...

po cara vc eh um merda ein.
conseguiu falar um monte e não falar nada de construtivo.
apenas expor sua opinião como já havia feito no rraurl.
pra mim vc fede demais e acha que entende muito.

Cow Molester disse...

Pô champs, se o blog é meu acho que posso expor minha opinião, não?
Mas prometo que não escrevo mais sobre esse tipo de música. Ao menos que o Villalobos venha com um remix de alguma cantiga do Belchior. Aí serei obrigado a me manifestar. :P
Abs
Cow Molester